24.9.12

A arte de perder


Bons dias!

Hoje não quero falar sobre dieta, alimentação, exercícios físicos... é segunda-feira e todo mundo sabe o que deve fazer. 
Hoje vou contar que tive um final de semana muito diferente, e que participei do primeiro encontro dedicado à Jornada da Heroína. quem quiser saber mais, visite o blog da Cristina, o Feminino e o Sagrado, eu recomendo! 

E lá, nesse encontro, alguém falou sobre a poesia de Elisabeth Bishop, que compartliho (abaixo) com vocês. Boa semana!

A arte de perder

“A arte de perder não é nenhum mistério;
Tantas coisas contêm em si o acidente
De perdê-las, que perder não é nada sério.
Perca um pouquinho a cada dia. Aceite, austero,
A chave perdida, a hora gasta bestamente.
A arte de perder não é nenhum mistério.
Depois perca mais rápido, com mais critério:
Lugares, nomes, a escala subseqüente
Da viagem não feita. Nada disso é sério.
Perdi o relógio de mamãe. Ah! E nem quero
Lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.
Perdi duas cidades lindas. E um império
Que era meu, dois rios, e mais um continente.
Tenho saudade deles. Mas não é nada sério.
– Mesmo perder você (a voz, o riso etéreo
que eu amo) não muda nada. Pois é evidente
que a arte de perder não chega a ser mistério
por muito que pareça (Escreve!) muito sério. ”
Elisabeth Bishop
(Tradução de Paulo Henriques Britto)
No original:

One Art

The art of losing isn’t hard to master;
so many things seem filled with the intent
to be lost that their loss is no disaster.
Lose something every day. Accept the fluster
of lost door keys, the hour badly spent.
The art of losing isn’t hard to master.
Then practice losing farther, losing faster:
places, and names, and where it was you meant
to travel. None of these will bring disaster.
I lost my mother’s watch. And look! my last, or
next-to-last, of three loved houses went.
The art of losing isn’t hard to master.
I lost two cities, lovely ones. And, vaster,
some realms I owned, two rivers, a continent.
I miss them, but it wasn’t a disaster.
-Even losing you (the joking voice, a gesture
I love) I shan’t have lied. It’s evident
the art of losing’s not too hard to master
though it may look like (Write it!) like disaster.
Elisabeth Bishop

6 comentários:

Mona disse...

Lindo, lindo....perder é uma arte mesmo, aliás aceitar a perda sempre é difícil, acho que tmb é uma questão de desapego com tudo.Bjs e ótima semana!!!

O Árabe disse...

Gostei! Vou procurar conhecer mais sobre a autora, obrigado. Boa semana!

♀ Gessicɑ Bɑrrɑdɑs ♀ disse...

Obrigada!
Mais ainda é amanhã... rs

Lucélia Mendes disse...

Bom dia querida Ana, eu sou suspeita pra falar de poesia pois sou apaixonada por leitura principalmente de poemas, acho super "relax"...
Beijos, bela semana pra vc!

*Lela* disse...


Visitando seu cantinho.

Muito bom!
Creio que perdemos aqui e ganhamos ali porque há um aprendizado em tudo isso...

Um beiju!

Benno disse...

toda vez que se perde uma coisa, se ganha outra... muda-se, a vida é mudança e quem nao perde nao vive. quem nao perde nao ganha. beijos