16.3.07

(Momento Poético)

EU TE AMO

(Elias Jabur - Para Mônica)

Tu dizes que eu nada falo e tens razão
As palavras de amor já foram ditas
Profusamente em rimas infinitas
Nas mais diversas formas de canção,

Que eu não pretendo que os teus ouvidos
Ouçam declarações muito pensadas
Prefiro sim, deixa-las olvidadas
E usar a eloqüência dos sentidos.

Ah!... fala muito o meu silêncio, amada,
Na linguagem das mãos, dos lábios e arquejos,
Pois meus carinhos, amor, pois meus beijos
São minhas palavras de amor sublimadas.

Eis-me assim presente no momento
Do silêncio sublime e entorpecente
Do desejo, seguido por freqüente
Rajada de ternura e encantamento.

Deixa-me este silêncio em que proclamo
O amor do coração e dos sentidos
Pois só o ouvirá quem tem ouvidos
Dentro d’alma e ame como eu amo.

6 comentários:

Dono do Bar disse...

Ana Carla,

Eu...
Eu...
Eu te mamo...

Beijos.

DB.

Lili disse...

Uau! Pode dar meu e-mail ao Elias? rsrsrs Beijos e ótimom fim de semana!

Sheherazade disse...

É numa hora dessas que eu trocaria o meu nome pelo de Mônica, só pelo privilégio de ser musa inspiradora de tão bela declaração de amor!
Minha querida, quando quiser vir ao meu Recife, é só avisar. Garanto fazer da sua estada aqui uma festa ... kkkkkkk!!!

Beijão!

Ordisi Raluz disse...

Sobreviventes têm força especial, querida Pinguinha. Até no jeitinho de publicar poemas.

Beijos viventes.

Marco disse...

Linda poesia.
Boa semana. Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Anônimo disse...

Lindo mesmo, ate lagrimas de crocodilo me fizeram chorar a esse jacaré desdentado !

Jack "the wallygator" Aré

http://courodejacare.zip.net/